Conhecer o pênis e suas particularidades não apenas no que se refere ao seu tamanho pode ajudar homens e mulheres a terem uma vida sexual mais satisfatória. A seguir, dez curiosidades sobre o órgão.

1 – Tamanho é documento? O item é o primeiro da lista porque muitos homens ainda se preocupam com a medida do seu órgão sexual. De acordo com a SBU (Sociedade Brasileira de Urologia), um pênis considerado normal mede de 7 a 17 centímetros ereto. E é importante frisar que potência e tamanho não são proporcionais.

2 – Não aumenta nem diminui durante a vida: ainda a respeito do tamanho, o órgão não sofre alteração após chegar ao tamanho adulto, o que acontece por volta dos 18 anos.

3 – Pode parecer menor do que é: a maioria que acha ter o pênis pequeno está enganada. O que acontece é que, quando esses homens vão comparar seus órgãos, em um vestiário, por exemplo, estão em situação de estresse, tensos. O pênis tem um músculo chamado dartos, localizado abaixo do saco escrotal, que diante de momentos assim se contrai, fazendo com que o órgão pareça menor do que realmente ele é.  Para comparar, é só observar como ele reage diante do frio também.

4 – Sensibilidade: a glande, mais popularmente conhecida como cabeça do pênis, é a parte mais sensível do órgão sexual masculino. Não é possível afirmar o número de terminações nervosas que ela tem (nem do pênis como um todo), mas a região proporciona bastante prazer ao homem. Por ser muito sensível, deve ser estimulada adequadamente. Toques intensos e forte podem gerar mais desconforto do que prazer. Fica a dica!

5 – Temperatura dos testículos: a região também apresenta sensibilidade aflorada, pois é composta de glândulas vascularizadas, por onde passa a corrente sanguínea. Produz espermatozoides e testosterona (hormônio) e por isso precisa ficar um grau abaixo da temperatura interna do abdômen, que é de 37ºC.

6 – Masturbação não é necessidade: alguns homens dizem que ficar muito tempo sem ejacular pode ser prejudicial, “pesa” o saco escrotal e outros tantos argumentos. Tudo mito. Segundo os especialistas, não existe nenhuma razão fisiológica para colocar o sêmen para fora do corpo. Se você não ejacular, vai eliminar na urina. Essa necessidade é algo cultural, puramente pelo prazer que o orgasmo causa, com sexo a dois ou masturbação.

7 – Circuncisão não afeta sensibilidade: a postectomia é a cirurgia feita para retirada do prepúcio, dobra de duas camadas de pele e mucosa que cobre a glande do pênis. O procedimento não é obrigatório, mas se faz necessário em algumas situações, como quando o homem apresenta balanopostite (inflamação por fungo na região) e por motivos religiosos (caso dos judeus).

8 – Pênis “quebra”: o órgão não tem osso, mas pode sofrer lesões nas cavidades cavernosas se for dobrado ou envergado rapidamente. A forma mais comum de acontecer é durante a relação sexual, quando a mulher está por cima. Com a ereção, o pênis se torna muito rígido e, se escapar durante o sexo, pode bater no períneo da mulher e lesionar gravemente. Faz um barulho, o homem sente muita dor e a ruptura é visível por causa da hemorragia, que o deixa com uma cor roxa escura. Os especialistas aconselham, diante de um acidente como esse, procurar assistência médica imediatamente, pois o ferimento não vai se curar sozinho e, muitas vezes, uma cirurgia é necessária.

9 – Ereções noturnas e orgasmo: Os homens passam 20% do tempo de sono com o pênis em ereção. Podem ocorrer várias, mais precisamente durante o sono REM (estágio no qual ocorrem os sonhos),e duram de 30 a 40 minutos cada uma. Segundo o especialista, o homem só percebe a ereção quando desperta no meio da noite com vontade de fazer xixi, por exemplo.

10 – Sinais de perigo e higiene: os homens levam vantagem sobre as mulheres no que se refere a identificar problemas no órgão sexual. Como o pênis é externo, qualquer mancha ou sinal de que há algo errado é facilmente percebido. Se não surgiu por algo que justifique alteração, como uma masturbação mais intensa, o ideal é procurar um médico.  A falta de higiene da área está associada a várias doenças, não como causa, mas como agente facilitador. Por isso, lavar com água e sabonete toda a região genital e secar, sem deixar umidade, ajuda na prevenção.

Fonte: https://universa.uol.com.br/noticias/redacao/2015/05/04/dez-curiosidades-sobre-o-penis-que-homens-e-mulheres-precisam-saber.htm

 

 

1) Use camisinha:
Esse é um habito que deveria ser conservado pra todo o sempre, mesmo depois que o namoro já foi oficializado. Sexo bom é sexo seguro e responsável que inclui pensar na própria saúde e na saúde da parceira. DST não tem cara e, além disso, a pessoa pode estar contaminada sem que apareça em exames e sem apresentar nenhum sintoma. Dessa forma, ela pode, mesmo sem saber, passar a doença adiante.

2) Respeite as diferenças entre a sexualidade masculina e feminina.
Enquanto os homens são mais genitalizados, a resposta delas na cama depende de outros fatores como os emocionais. Ela gosta e precisa receber carinhos além do momento do sexo. Mas ainda há muitos homens que confundem carinho com preliminares, sendo carinhosos quando querem sexo, sem manter a mesma postura em outros momentos.
Muitas vezes, ela precisa sentir-se conectada ao parceiro para não se sentir como se fosse um objeto sexual. Além disso, mesmo que o clitóris seja o centro da resposta orgástica, as zonas erógenas das mulheres são mais dispersas. Preste atenção na mulher como um conjunto e permita-se ver da mesma forma.

3) Deixe do lado de fora as cobranças externas. Nada de querer ser um atleta sexual:
Respeite o seu corpo. As mulheres esperam muito mais por carinho, atenção e cuidado do que um desempenho sexual incansável. Poucos homens sabem que fisiologicamente há um momento, exclusivamente masculino, logo após a ejaculação chamado de período refratário onde é impossível haver nova ereção.
Com o passar dos anos, esse tempo passa a ser mais longo levando preocupação e uma dose de frustração para os homens devido à valorização excessiva dada ao desempenho sexual onde a freqüência coital é tradução da sua capacidade de conquista sexual. Livre-se da obrigação de estar sempre disposto ou pensando sobre sexo. Nunca se esqueça de que quantidade não é qualidade.

4) Cuide da aparência:
É certo que os homens são seres visuais, mas as mulheres também são. É um traço da personalidade dos homens ter o chamado desejo visual, mas, ainda assim, a beleza masculina transformou-se em valor cultural. Hoje os homens se cuidam como as mulheres. Só não vale esquecer-se da sensibilidade e do carinho em nome da aparência física.

5) Aprenda com o seu corpo e aprenda sobre o corpo dela (e):
Descubra como funciona a sua resposta sexual. Descubra como funciona a resposta sexual dela (e) e como ela (e) gosta de ser tocada (o). Sexualidade é muito mais amplo do que pênis e vagina. Permita-se descobrir outros meios de sentir prazer, respeitando sempre os seus limites sexuais e os limites sexuais da (o) parceira (o).

6) A importância do tamanho do pênis:
Os homens têm uma relação de amor e ódio com o pênis. Diferentemente da segurança masculina, o prazer feminino não cresce na mesma proporção em que se aumenta o tamanho do pênis. Um pênis grande não é garantia de um bom desempenho sexual ou capacidade eretiva. A potência sexual depende de outras questões como disponibilidade, nível de excitação e entrega, ou seja, estar inteiro durante a relação sem que interferências de idéias gerem conflitos.

Fonte: https://www.abcdasaude.com.br/sexologia/segredos-para-uma-vida-sexual-feliz-dicas-para-os-homens

Entre as causas que levam a ejaculação precoce, a principal é a ansiedade. Este mal acaba levando a uma reação em cadeia já que, quanto mais repetidas forem essas ejaculações, mais ansiosos ele fica, mais adrenalina produzem e mais rápido ejaculam. Em alguns casos, a ansiedade é tanta que acabam desenvolvendo algum tipo de disfunção erétil.

1. DIMINUA A ANSIEDADE COM ATIVIDADES FÍSICAS E RELAXANTES

Uma das principais causas da ejaculação precoce é a ansiedade e tensão muscular. Para controlar isso, coloque atividade física na sua rotina, com a prática de caminhadas. Durante a atividade, levante o peito, contraia levemente o abdômen e relaxe os ombros, fazendo da caminhada um momento de relaxamento do corpo e mente. Faça alongamentos antes e após a caminhada. Após a caminhada faça pelo menos 15 minutos de exercícios como polichinelo, burpee, abdominal bike, afundo, abdução de quadril, agachamento combinado com salto, flexão de braço, entre outros. Quando não conseguir fazer caminhada, faça pelo menos os exercícios. Antes de iniciar a relação sexual, peça para ela fazer uma massagem relaxante em todo o corpo. Esse relaxamento é importante, pois o processo ejaculatório vem justamente da contração dos músculos, e quanto mais relaxado eles estiverem, maior as chances de aumentar o tempo da relação

2. MASTURBAÇÃO COM CONTROLE DE EJACULAÇÃO

A masturbação ajuda a controlar a ejaculação, mas é preciso algum treino. Ela deve ser praticada até o limiar do orgasmo e então o homem deve parar a estimulação. Isso ensina corpo e mente a prolongarem a fase de excitação, além de aumentar os níveis de autoconfiança. Para exercitar, provoque a ereção (sem assistir filme pornô) e inicie a masturbação sem lubrificante. Estabeleça uma meta de tempo (5, 10, 15, 20 minutos…) para sua masturbação. Onde ejacular deixa de ser o foco, o tempo que vai durar a masturbação é o foco principal. Quando você perceber que está quase ejaculando, pare, veja quanto tempo durou, faça o relaxamento com uma respiração calma, vista sua roupa e continue sua rotina. Repita isso nos próximos dias, mas tentando aumentar o tempo progressivamente. Quando chegar a um mínimo de 20 minutos de masturbação sem ejacular, coloque lubrificante e fique muito atento no ponto de ejaculação. Quando perceber que está quase ejaculando, pare e relaxe, respire como indicado acima, depois se vista e continue sua rotina normalmente. Depois de pelo menos 10 dias desse treinamento, você poderá ir até o final, ejaculando. Continue praticando e tentando aumentar o tempo, intercalando, um dia ejacula e outro não. É uma forma de você começar a ter controle sobre a ejaculação

3. FORTALEÇA OS MÚSCULOS PÉLVICOS

Você pode melhorar sua ejaculação exercite os músculos PC (pubeococcígeno), na região pélvica. Pelo menos três vezes por dia, tranque a urina de 3 a 4 vezes, dessa forma você vai conhecer como usar o músculo PC. Depois faça os exercícios apenas simulando que está urinando, aprendendo a contrair o músculo PC. Contraia o músculo PC por três segundos e relaxe o mesmo por três segundos. Gradativamente após dias de exercício, vá aumentando o tempo de contração, mas mantendo o tempo de três segundos de relaxamento. Aumente o tempo de contração para cinco, dez e por último, vinte segundos. Após dois meses de exercício, faça apenas uma manutenção, fazendo pelo menos três vezes por semana. No momento da relação, quando sentir que está chegando o momento de ejacular, contraia o músculo PC, isso evitará que ejacule. Mesmo assim, se sentir que está difícil segurar, pare a penetração e faça um sexo oral ou masturbe ela, em seguida continue a penetração. Isso mantém sua parceira excitada e permite o controle da ejaculação

4. DURANTE O SEXO

Comece a relação pelos beijos, em seguida as preliminares, explorando os pontos erógenos sem pressa. Estimule os pequenos e grandes lábios da vagina, e o clitóris. Comece a penetração somente quando ela estiver bem excitada. Condicione sua mente e o corpo que a partir desse dia sua ejaculação terá que acontecer somente depois dela ter o orgasmo. O segredo agora é optar por posições que a glande do pênis fique o mais profundo possível, pois estando no fundo da vagina, haverá pouco contato na glande, que é a parte mais sensível. Faça movimentos de penetração de forma curta, para que a glande tenha pouco contato e fique o mais profundo possível. Dessa forma, a base do pênis é que terá mais contato com a parte inicial da vagina, ainda fazendo com que ela tenha prazer. Se você colocar um anel estimulador ou com vibro da base do pênis, vai estimular o clitóris, elevando a chance de orgasmo dela.

Fonte: https://manualdohomemmoderno.com.br